Hoje vamos falar do poder dos derivativos.

Mas antes de tudo, se você é novo(a) por aqui, deve estar se perguntando: O que são derivativos?

Não se preocupe, pois até mesmo para quem já é antigo no mercado, os derivativos são uma parte meio nebulosa da bolsa. 

O que são derivativos?

Muito bem, vamos lá. Derivativos são contratos mútuos nos quais se estabelece um valor derivado do valor de um ativo base como referência. No mercado financeiro, geralmente quando falamos de derivativos, falamos de Opções. 

No mercado de Opções, temos Opções de compra (chamadas de “calls”) e Opções de venda (“chamadas de “puts”). Ao comprar uma call, você recebe o direito, mas não a obrigação, de comprar determinado ativo. Você pode comprá-lo por um preço específico (chamado de “strike”), dentro de um prazo pré-determinado (data de vencimento). Você espera que o preço do ativo suba. 

Da mesma forma, se você estiver comprando uma put, você recebe o direito, mas não a obrigação, de vender determinado ativo por um preço específico, dentro de um prazo pré-determinado. Você espera que o preço do ativo caia. 

Ficando na ponta compradora, você coleciona direitos e consegue estimar seus ganhos e perdas de uma forma convexa e antifrágil: você pode se expor de tal forma que você tenha pouco a perder e muito a ganhar. 

Porém se você estiver na ponta vendedora, você tem obrigações, e precisa honrá-las de qualquer jeito. Isso pode multiplicar em muitas vezes o seu potencial de perda, e você fica côncavo. Um vendedor de call está exposto ao risco da ruína, visto que teoricamente o preço de uma ação pode subir para sempre.

Os benefícios dos derivativos:

Quando você compra uma ação, você se torna sócio da empresa, portanto seu investimento se valoriza se a ação da respectiva empresa se valoriza.

No caso dos derivativos, você pode “apostar” tanto na valorização quanto na desvalorização de uma empresa ou de algum outro ativo. Existem estratégias onde você pode ganhar dinheiro se o preço despencar, bem como se ele explodir para cima. 

Valor investido

Um outro aspecto importante dos derivativos é que o valor que você precisa desembolsar para montar uma posição geralmente é bem menor do que para comprar ações de uma empresa. Por exemplo, se você quisesse comprar 100 ações da empresa XYZ4 cotadas a R$ 40,00 você precisaria de R$ 4.000,00.

Porém, se você quisesse comprar calls da empresa, você poderia montar uma operação com muito menos dinheiro. Esse é um dos benefícios dos derivativos, até porque se você comprar uma opção muito barata e o preço do ativo tiver um movimento forte na direção que você deseja, você pode multiplicar em muito os seus ganhos. 

Um outro aspecto dos derivativos é que você pode limitar suas perdas, caso você tenha uma boa estratégia. Por exemplo, se você comprar um lote de 100 ações de uma empresa pelo valor de R$ 10.000,00 e a cotação da ação for para zero, você perde todo o seu investimento. 

Perdas conhecidas

Já no caso dos derivativos, se você tiver uma exposição convexa, você sabe exatamente o quanto pode perder, e pode ter perdas pequenas e ganhos grandes. 

Por esses motivos, as Opções são bastante usadas para estratégias de Hedge. É possível construir exposições que permitam que você proteja seu patrimônio ou até o multiplique quando ocorrem eventos devastadores e imprevistos, como por exemplo colapsos na bolsa de valores ou em empresas individuais. 

O poder dos derivativos

Muitas pessoas conhecem a história de como surgiram os derivativos, e outros ainda conhecem profundamente suas fórmulas de precificação. De forma prática, para que servem as opções e como podemos usá-las no dia a dia?

O iniciante de bolsa certamente uma hora é avisado de que os retornos do IBOV sofrem oscilações grandes, e que tais oscilações poderiam acabar com seu patrimônio.

Para entendermos como isso afeta nossas vidas vamos entender como teria sido a performance da compra de uma carteira BOVA11, com compra simultânea de Opções de venda para cobrir o patrimônio, na proporção de 3 vezes o lote do ativo objeto. Então para cada 100 ações da BOVA11, simulamos a compra de 300 PUT de dois vencimentos, com DELTA próximo a 2, sendo roladas todos os meses. 

Exemplo

  Vamos comparar com a performance dessa carteira com o índice no mesmo período:

Podemos observar que de fato o seguro de carteira tem um custo que parece piorar a performance da carteira que possui somente BOVA11, mas quando um evento de cauda ocorre, ela além de proteger consegue dar um bom lucro.

Esse é o princípio que a comunidade do OpLab, através dos conhecimentos sobre convexidade e antifragilidade acredita ser capaz de promover a longevidade na vida do investidor.

Algumas pessoas ainda têm dúvidas sobre o poder das Opções por ouvirem histórias de pessoas que já quebraram eventualmente e outras histórias tristes do tipo. Claro que situações que te fazem sofrer grande constrangimento, por exemplo um grande stop loss “imprevisto”, podem te levar também a grandes aprendizados.

Exemplo

Mas precisamos perder dinheiro para saber que não devemos ficar vendidos em opções por exemplo? Se você ainda não sabe disso, lembre-se. Só opere vendido, ou seja, com a sua posição total de ativos vendidos em derivativos superando as compras num mesmo ativo, se você for um profissional ou alguém muito experiente. E claro, se ainda não sabia disso até agora, é melhor não ficar. Isso pode te levar ao risco da ruína. 

Vamos ver o que teria acontecido com um investidor que decidisse usar a estratégia de lançamento coberto, sem nenhum tipo de cobertura, no ativo VALE3, ao longo do tempo:

Com certeza teria quebrado nos eventos de cauda que se passaram na empresa. É importante ressaltar esse ponto. Queremos que o investidor utilize a potência das opções para ficar exposto de forma convexa e positiva no mercado. As ferramentas que o OpLab disponibiliza são capazes de te demonstrar quais os limites das estruturas, para que você não tenha dúvidas do risco que está correndo.

Os famosos “pozinhos”, podem ser consultados na aba Pozinhos no OpLab:

La podemos filtrar por ativo e outras informações:

Tem dúvidas se essa estratégia funciona? Nosso time preparou aqui uma simulação. E se você tivesse comprado pozinhos de todas as empresas todos os meses, ao longo do tempo. O que será que teria acontecido?

Exemplo

Alguns ativos teriam dado lucro, outros prejuízo, alguns explodiram, mas na maior parte do tempo o investidor paga o prêmio todo, mas não tem lucro. Olhando assim parece até que compensa, mas daí vem um outro questionamento. O timming é uma coisa de grande importância, como vemos nesses estudos. Entrar e sair no momento certo, é realmente o grande diferencial para acertar grandes tacadas. 

Claro que isso é o que todo investidor mais deseja, mas alguns fatores podem te ajudar a tomar decisão sobre melhor hora de comprar ou vender uma opção. Análise técnica combinada com derivativos por exemplo podem ser de grande uso prático no dia a dia com bons resultados. Vamos testar comprar estes mesmos ativos apenas quando estão em tendência de alta, com uma média móvel simples de 20, com aquelas PUT que falamos logo atrás:

Táticas para elaborar estratégias de derivativos:

Nos derivativos, como em qualquer outra estratégia de investimentos, você não deve ser um torcedor. Quem vira torcedor, provavelmente tem mais chances de ser prejudicado do que de ter bons resultados. 

Então a pergunta que muitas pessoas se fazem é: com qual tipo de análise posso montar minhas estratégias? Bem, um primeiro passo seria estudar análise técnica. Ou seja, gráficos. Quando você entende os gráficos, você consegue visualizar tendências, padrões de preço, indicadores, etc. 

Esse tipo de análise permite que você veja áreas específicas onde poderia montar posições de Opções. Se o investidor conhece bem o ativo em questão, ele pode entender melhor ainda quais características de tendência o ativo tende a seguir em determinados momentos. O que pode ajudar na elaboração de estratégia.

Ter conhecimentos em economia e análise fundamentalista também pode ajudar bastante, principalmente se você quiser montar estratégias macro. Por exemplo, voltadas para setores específicos, empresas específicas ou economia em geral. 

Pontos de atenção:

Lembre-se que as Opções expiram. Ou seja, elas tem prazo. É muito comum pessoas perderem dinheiro por conta de erros que poderiam facilmente ter sido evitados. Como por exemplo, você desmontar uma posição de forma errada ou não zerar totalmente a posição. 

Quanto mais você encurta o seu horizonte de investimento, mais você deve estar atento à toda a parte operacional das opções. Se você esquece de desmontar uma parte da sua posição, o que antes era convexo pode se tornar côncavo e você pode ficar descoberto. E como já falamos, isso não é bom. 

É importante que você entenda como montar as suas posições no homebroker, e como sair das posições sem ser prejudicado. No OpLab, você pode simular as melhores estratégias e ver o seu payoff. Assim, você consegue entender exatamente como a operação foi montada, e o que você deve fazer para desmontá-la. Fazer essa simulação prévia é uma forma de se precaver e evitar os erros operacionais.

Além disso, é importante que você entenda as alocações dos seus investimentos. Para derivativos, não coloque todo o seu patrimônio nesse tipo de operação. Isso seria você se expor ao risco da ruína. Coloque uma porcentagem pequena (menos de 10%), que será destinada aos investimentos que tem maior risco e maior potencial de retorno. O restante do seu patrimônio deveria estar em alocações conservadoras e de baixo risco, como falamos nesse artigo. 

Conclusão:

Como todo instrumento de renda variável, você deve usar os derivativos de forma coerente e prudente. Erros operacionais também são comuns e levam frequentemente desavisados à ruína financeira. 

Procure sempre entender a sua estratégia e todos elementos envolvidos. Assim, você não será pego de surpresa por conta de um erro que poderia ter sido evitado. Além disso, se você é iniciante, o ideal é simular suas operações antes de se arriscar no mercado. 

Lembre-se de que não existe dinheiro fácil. Você precisa saber o que está fazendo, e entender a fundo o seu payoff (quanto você pode ganhar vs quanto você tem a perder). 

Se você gostou desse artigo, compartilhe e visite nosso Blog para ver os outros materiais disponíveis.

Por hoje é só, e até a próxima!

Artigos relacionados

Acompanhe o blog do OpLab e confira tudo sobre mercado de opções, investimentos e finanças pessoais.