Hoje você vai aprender o que é análise técnica.

Se você já viu aqueles filmes de mercado financeiro e não entendeu o que eram aquelas telas cheias de gráficos, você precisa saber o que é análise técnica.

De forma simples, a análise técnica consiste em analisar gráficos para tomar decisões.

Não existe uma regra a ser seguida, uma vez que cada analista tem seus próprios métodos para investir.

Vamos entender melhor o que é análise técnica.

O que é análise técnica?

Análise técnica é o estudo de gráficos.

Primeiramente, você precisa entender o que é a análise técnica de fato.

Análise técnica é uma disciplina de trading na qual você avalia uma oportunidade na bolsa de valores através da análise de tendências.

Essas tendências são criadas a partir de atividade de negociação, tal como movimentos de preço e volume.

Ou seja, os analistas técnicos, ou grafistas, se baseiam em informações contidas nos gráficos para tomar decisões de compra ou venda.

Os primórdios da análise técnica

A análise técnica tem seus primórdios com Charles Down.

Aperta o cinto pois vamos voltar no tempo!

Não sei se você já ouviu falar de Charles Dow, mas esse nome fez história no mercado financeiro.

Charles Dow:

Charles Dow foi o percussor da análise técnica como a conhecemos hoje, e desenvolveu sua teoria chamada Dow Theory, no século 19.

Ademais, Charles Dow foi o fundador do jornal The Wall Street Journal, e foi o criador do índice Dow Jones Industrial.

Portanto, Charles Dow abriu as portas para a análise técnica. Seu trabalho consistia no seguinte.

Charles Dow

Ele anotava os preços máximos e mínimos do seu índice diariamente, semanalmente e mensalmente.

Ademais, ele correlacionava padrões com os movimentos do mercado, e depois escrevia artigos no seu jornal para reforçar que seus padrões ajudaram a entender movimentos do mercado.

Você deve estar pensando que é simples, mas calma. Lembre-se de que não existem certezas no mercado financeiro.

Ou seja, na bolsa de valores você nunca terá nenhuma garantia. Padrões podem, ou não, funcionar.

Porém, Dow não foi o único responsável pelo sucesso da teoria que levava seu nome.

Nomes como William P. Hamilton, Robert Rhea e Edson Gould foram pessoas muito importantes para o desenvolvimento da Dow Theory.

William P. Hamilton:

Hamilton contribuiu muito para o avanço da Dow Theory, ou Teoria de Dow.

Ou seja, ele aprimorou a teoria existente, pegando informações das ações dos setores industrial e ferroviário para reforçar tendências de alta e tendências de baixa dos preços.

Você já deve ter ouvido os termos “bullish” ou “bearish” quando alguém fala de bolsa de valores.

O termo “bullish” vem do fato que o touro chifra de baixo para cima.

Ou seja, os preços que sobem são considerados “bullish”.

Já no caso de “bearish”, o termo foi implementado pelo fato de que o urso bate de cima para baixo.

Portanto, os preços que caem são considerados “bearish”.

Bem, agora você já sabe de onde vieram esses termos. Sim, são bem antigos!

Ou seja, com os movimentos de preço que Hamilton analisava, ele determinava as tendências do mercado através das ações que compunham os índices.

Ademais, Hamilton inclusive havia alertado para um possível crash da bolsa em 1929, antes do evento acontecer.

Robert Rhea:

Robert Rhea foi o que colocou tudo em prática.

Em 1932 ele escreveu seu livro “The Dow Theory” no qual ele falava de como usar as tendências e os indicadores para entrar comprado ou vendido nas ações.

Ademais, Rhea se destacou por usar a teoria com sucesso para identificar topos e fundos do mercado.

Além disso, Rhea tinha uma carta de investimentos e suas assinaturas cresceram muito cada vez que ele acertava suas previsões.

The dow theory

Edson Gould:

Edson Gould foi talvez o especulador que obteve maior sucesso com a teoria de Dow.

Gould tinha uma newsletter na qual ele fazia previsões e recomendações de compra e venda de ações. A maioria delas, acertadas.

Gould foi o pioneiro no uso de gráficos para a análise técnica.

Portanto, Edson Gould contribuiu muito para análise técnica, principalmente no que diz respeito a indicadores gráficos.

Entendendo análise técnica

É importante fazer a distinção entre análise técnica e análise fundamentalista.

Primeiramente, vale ressaltar que a análise fundamentalista é um método que avalia empresas de acordo com fatores qualitativos e também com métricas financeiras.

Ou seja, fatores como gestão e vantagens competitivas são de extrema importância para os analistas fundamentalistas.

Ademais, se você faz análise fundamentalista, você geralmente olhará métricas financeiras que podem ser encontradas nos balanços das empresas, como por exemplo lucro por ação, receitas, entre outras.

Portanto, a análise fundamentalista enxerga a empresa como um todo.
Mas você entende a diferença dessa com a análise técnica?

A análise técnica é a queridinha dos day traders.

Day trader

Esse tipo de análise se baseia principalmente em padrões de preço, através de candlesticks (gráficos em forma de velas).

Os analistas técnicos, também conhecidos como “grafistas”, usam indicadores de gráficos para tomar decisões de compra e venda de ações.

Alguns desses indicadores incluem médias móveis, bandas de bollinger, ação dos preços, volume, entre outras.

A ideia por trás da análise técnica é de que toda a informação necessária para você tomar sua decisão está contida no gráfico.

Por exemplo, se houver um problema na empresa como uma expectativa de perda de lucro, ou de algum evento antecipado, isso estará refletido no preço da empresa.

Se combinada com análise quantitativa ou análise fundamentalista, a análise técnica pode ser interessante para que você escolha níveis de preço específicos para entrar ou sair de posições.

O objetivo da análise técnica

O objetivo da análise técnica é entender padrões gráficos para lucrar.

Portanto, vamos falar dos objetivos dela para seus usuários.

Primeiramente, muitos traders usam análise técnica para fazer operações de mais curto prazo (day trade, swing trade).

Ademais, muitos traders olham para o volume de negociação para entender a força da ação dos preços de uma ação, e qual a tendência (direção geral dos preços).

Portanto, você pode usar análise técnica para qualquer ativo que tenha um histórico de preços e negociação na bolsa.

Ou seja, análise técnica pode ser usada para ações, commodities, moedas, futuros, entre outros.

Ademais, análise técnica parte da premissa que você pode usar informação de preços passados para imaginar possíveis preços futuros.

Portanto, você precisa determinar o seu objetivo: você é investidor? Trader? Gestor?

A maioria dos traders de varejo (trader individual) usa apenas análise técnica para tomar decisões.

Porém, gestores institucionais tem tendência a combinar análise técnica com análise macroeconômica e análise quantitativa.

Indicadores populares em análise técnica

Os indicadores populares da análise técnica incluem médias móveis, bandas bollinger, padrões de preço, entre outros.

Bem, e agora que você já sabe o que é análise técnica e como ela surgiu, vamos falar dos seus indicadores.

Primeiramente, vale lembrar que esses indicadores são apenas exemplos, e não regras.

A análise técnica é muito pessoal, portanto cada analista terá seus próprios indicadores de preferência.

Da mesma forma, um gestor quant terá sua própria tese e seus próprios modelos quantitativos.

Como fazer análise técnica

Dito isso, os indicadores mais populares na análise técnica são:

. Ação e padrões dos preços
. Volume e indicadores de tendência
. Indicadores técnicos
. Médias móveis.
. Níveis de suporte e resistência

Vamos abordar cada um deles.

Ação dos preços:

A ação dos preços nada mais é do que você ver os padrões de preço que estão se formando, e a direção geral na qual o preço do ativo está se direcionando.

Os gráficos de velas (candlesticks) mostram a força por trás das velas, que se traduz na força dos preços.

Ademais, você pode escolher o intervalo de tempo no qual está visualizando essas informações.

Você pode ver os preços num intervalo diário, semanal, mensal ou até mesmo a cada 5 minutos, ou 30 minutos.

Volume e indicadores de tendência:

Quando você olha para o volume de uma ação, você consegue ter uma idéia do tamanho da força de negociação.

Ademais, você consegue ver se a força dos movimentos está vindo da venda ou da compra.

Portanto, o volume é um indicador muito olhado.

Além disso, outro aspecto importante é a formação de tendências.

Ou seja, á medida que os preços vão se formando, você consegue identificar se o ativo está em tendência de alta ou de baixa.

Indicadores técnicos:

Quando você analisa um gráfico, você pode incluir indicadores específicos para medir determinados elementos.

Por exemplo, muitos traders usam indicadores como RSI (Relative Strengh Index), que em português se chama IFR (Índice de Força Relativa), ou MACD, ou indicador estocástico.

Existem dezenas de indicadores que os analistas técnicos usam, e que podem ser configurados de acordo com a estratégia de cada pessoa.

Médias móveis:

Outro aspecto interessante para os gráficos é que você pode usar médias móveis.

Esse indicador consiste em formar linhas que representam a média dos valores de fechamento de um determinado número de velas (candles).

Por exemplo, você pode escolher a média móvel de 9 períodos (9 candles), ou 50 períodos (50 candles), entre várias outras.

Portanto, dependendo do intervalo de tempo que você está avaliando, as médias móveis podem apresentar formas diferentes.

Suportes e resistências:

Suportes e resistências são uma forma de você poder visualizar algumas áreas estratégias para a ação dos preços.

Por exemplo, se em algum momento o preço de um ativo ficou bastante tempo em determinado preço sem subir, isso pode ser considerado uma resistência.

Porém, se esse nível de preço é rompido, muitos traders entendem que agora esse nível que foi rompido se torna um nível de suporte.

Ademais, o interessante é que você pode ter diversos níveis de suporte e resistência.

E isso varia muito de pessoa para pessoa. Nem todos os traders olham os mesmos níveis de suporte e resistência.

Não existe regra. Vai de cada um.

Análise técnica

Limitações da análise técnica

Uma das principais limitações da análise técnica é o fato de que ela é muito especulativa e nem sempre seus padrões funcionam.

Bem, agora você deve estar pensando que agora já conhece o tipo de análise que vai te ajudar a lucrar na bolsa.

Calma, não é bem assim.

Na realidade, a análise técnica tem muitas limitações que você precisa saber.

Primeiramente, é importante que você saiba que nem sempre os padrões funcionam.

Ou seja, muito frequentemente você verá padrões se quebrarem ao fazer análise técnica.

Portanto, tome cuidado ao achar que só porque um padrão se confirmou uma vez, ele funcionará sempre. Isso nem sempre acontece.

Em segundo lugar, a análise técnica é muito mais especulativa do que a análise fundamentalista. Afinal, você está tomando decisões muitas vezes de curto prazo, sem base em fundamentos de empresas.

Portanto você precisa entender o seu objetivo antes de usar análise técnica. Seja ele fazer operações de curto prazo, especular, ou montar uma carteira de investimentos para o longo prazo.

Onde usar análise técnica

Você pode usar análise técnica no OpLab, pois essa plataforma possui diversos indicadores e funcionalidades para essa modalidade.

Hoje em dia existem diversos provedores de gráficos que permitem que você possa fazer análise técnica.

Além disso, em sites de notícias especializadas em negócios e mercado financeiro, ver informações sobre análise de gráficos.

Porém, nada melhor do que uma plataforma completa para você poder acessar todos esses dados importantes e ter acesso a gráficos de qualidade. Né?

No Brasil, o OpLab é a melhor ferramenta para você fazer gestão de carteira de investimentos.

Ou seja, você pode incluir diversas classes de ativos na sua carteira: ações, opções e fundos imobiliários.

Você pode ver o seu payoff e cotações em tempo real.

Se você quer uma plataforma para operar opções, comprar ações, ou simplesmente fazer gestão de portfólio, o OpLab é a solução ideal para você.

No OpLab, além de tudo, você agora tem a seção de rankings que permite que você veja as empresas mais interessantes de acordo com diversos tipos de indicadores e métricas.

Você tem indicadores fundamentalistas de volume e tendências.

Além disso, no OpLab você tem acesso aos gráficos de todos os ativos, onde você pode adicionar os indicadores que achar mais relevantes.

Clique aqui para testar o OpLab por 30 dias grátis e tenha acesso a todos esses indicadores!

Conclusão

Hoje você aprendeu sobre análise técnica e entendeu como ela pode ser útil.

Porém, vale lembrar que a análise técnica tem seus pontos negativos, portanto o ideal é sempre entender o seu objetivo antes de fazer qualquer tipo de análise.

Ademais, é importante também você entender que a análise técnica pode não fazer sentido se você não souber como interpretá-la.

Nesse episódio do OpWise Podcast, conversamos com Alexandre Stormer, onde ele disse que “análise fundamentalista te diz o que comprar e análise técnica te diz quando comprar”:

Se você gosta de análise técnica, me conta qual é o seu indicador favorito e qual a sua filosofia no mercado financeiro.

E aproveita e encaminha esse artigo para algum(a) amigo(a) que se interessa por análise técnica.

Clique aqui para testar o OpLab por 30 dias grátis e tenha acesso a todos esses indicadores!

Artigos relacionados

Acompanhe o blog do OpLab e confira tudo sobre mercado de opções, investimentos e finanças pessoais.