Qual será o melhor investimento para você? É uma pergunta em que a resposta depende de uma série de fatores. Afinal, é necessário ter informações sobre o seu perfil de investidor e o que pretende fazer com o dinheiro.

São dados que devem ser levados em consideração na hora de escolher o melhor investimento para você.

Além disso, a escolha que parece ser mais interessante na teoria nem sempre é a melhor escolha na prática. Você deve estar se perguntando "como assim?".

Bem, dependendo do cenário econômico e político, você pode ter perdas consideráveis caso seja muito arrojado.

No mercado de ações, por exemplo, uma decisão precipitada pode ser sinônimo de dinheiro perdido. E isso é algo que não faz parte dos planos de ninguém.

Portanto, para você avaliar com segurança o melhor investimento, serão apontados os fatores que precisam ser analisados na hora de escolher como aplicar o seu dinheiro. Confira!

Veja como saber em que investir

Um passo importante é não se precipitar para procurar um banco, uma corretora ou um aplicativo para aplicar o seu dinheiro. Antes de definir qual é o melhor investimento para você, responda a estes questionamentos:

. Por que você está juntando dinheiro?

. Quanto de recursos financeiros pretende acumular?

. Qual é o prazo estipulado para concretizar a sua meta?

. Que nível de risco está disposto a enfrentar?

As respostas vão ajudá-lo a montar o seu perfil de investidor e a analisar as opções de retorno mais favoráveis com as suas expectativas.

O autoconhecimento também é imprescindível para optar pelo melhor investimento. Nem sempre estamos dispostos a arriscar muito. Por outro lado, é bom sair da zona de conforto em alguns momentos, caso haja um bom planejamento.

Saiba o que são aplicações financeiras

Para entrar no mundo dos investimentos de maneira correta, procure estar bem informado e ter noção do que vai fazer. Pensando nisso, vamos destacar um tema importante: as famosas aplicações financeiras.

É necessário conhecê-las com exatidão para não dar um passo em falso. Uma aplicação abrange qualquer investimento feito em uma instituição financeira.

Ou seja, um simples depósito na poupança e a compra de uma ação são exemplos que se encaixam perfeitamente nessa definição.

Porém, existem diferenças marcantes entre os diversos tipos de aplicações financeiras. Você deve saber disso para escolher o melhor investimento de maneira serena. Essas variações englobam alguns itens, como:

. Investimento mínimo inicial (há produtos financeiros que exigem uma quantia mínima para o investidor);

. Prazo e liquidez (dependendo da aplicação financeira é fixado um tempo mínimo para a retirada do dinheiro);

. Rentabilidade (o cálculo desse fator varia de acordo com o investimento e leva em consideração os custos e o potencial de retorno);

. Grau de risco (tem ligação direta com a rentabilidade, pois esta é maior à medida que os riscos são mais elevados. Há muitas opções seguras no mercado, mas para ter retornos expressivos rapidamente é fundamental assumir riscos);

. Modalidade (existem dois tipos: renda fixa e renda variável. Abaixo, cada um deles será abordado de maneira mais detalhada).

Na renda fixa, por exemplo, o investidor tem consciência de que vai assumir riscos menores. O investidor também tem uma noção de quanto vai receber, no mínimo, ao final da aplicação. Isso porque pode calcular o retorno com antecedência.

Já a renda variável oferece ganhos mais atraentes, mas isso não é sinônimo do famoso retorno garantido. Em geral, os investidores que desejam resultados acima da média consideram essa modalidade o melhor investimento.

Fique informado sobre as aplicações financeiras

Agora você já tem ideia dos fatores que deve levar em consideração na hora de investir. Portanto, é preciso ter foco neles para obter os resultados que estão dentro das suas metas.

Além disso, também é bom ter consciência de que o melhor investimento para um amigo ou parente pode ser diferente do que você considera ideal para aumentar os seus rendimentos.

Por isso, há muitos fatores que devem ser levados em consideração na hora de aplicar o seu dinheiro. Alguns deles, já foram destacados no início deste artigo.

Com a intenção de orientá-lo sobre o melhor investimento, serão apresentadas as aplicações financeiras mais conhecidas no mercado. Acompanhe!

CDB

É conhecido como Certificado de Depósito Bancário, sendo um título emitido pelos bancos para capitalização. Ele se destaca por ser um investimento, em que uma pessoa física empresa dinheiro à instituição bancária por um prazo.

O CDB é bastante popular no mercado financeiro e geralmente apresentar um rendimento superior ao da poupança, com o mesmo nível de segurança.

Ao aplicar o seu dinheiro no CDB, você está amparado pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que garante ao investidor até R$250 mil, em caso de falência. Se isso ocorrer com um banco, o Governo vai reembolsá-lo até esse valor.

No entanto, o Certificado de Depósito Bancário conta com dois tipos de rentabilidade. A pré-fixada indica para o investidor quanto ele vai ganhar no dia do vencimento do CDB. A pós-fixada apenas é conhecida na hora do resgate.

É recomendado estabelecer o período mínimo em contrato para a retirada do dinheiro. Normalmente, é necessário ter, pelo menos, R$ 100 para investir no CDB.

Portanto, para saber se esse é o melhor investimento para você, procure um banco ou uma corretora para avaliar cenários e hipóteses de ganhos.

Tesouro Direto

Foi instituído, em 2002, pelo Tesouro Nacional junto com a Bolsa de Valores. É um investimento na modalidade renda fixa, destinado à captação de recursos para financiar ações governamentais nas áreas de Educação, Infraestrutura e Saúde.

O Tesouro Direto é um empréstimo que o cidadão faz ao governo, portanto é considerado um investimento de baixo risco, porque o setor público é o responsável pelo pagamento do título público. Isso faz com que a possibilidade de problemas seja mínima.

Da mesma maneira que o CDB, o Tesouro Direto conta com duas modalidades de aplicação. Nos títulos pré-fixados, o investidor já tem uma noção do que vai receber ao comprá-los.

Sugiro essa alternativa quando o cenário mostra que vai haver uma queda de juros, com base na taxa Selic.

O pós-fixado tem relação com a Taxa Selic ou pode estar atrelado ao IPCA, índice adotado para medir a inflação. Se houver estimativas de que os juros vão subir, essa aplicação vai produzir um bom retorno no longo prazo.

Embora haja uma data de vencimento, o investidor pode vender o título antes desse prazo ao Tesouro Nacional.

Caso esteja interessado nessa modalidade, é preciso se cadastrar no site do Tesouro Nacional. Portanto, faça uma boa pesquisa para verificar se essa aplicação vai ser o melhor investimento e se vai atendê-lo de forma satisfatória.

LCI e LCA

Significam, respectivamente, Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e Letra de Crédito do Agronegócio (LCA). São ativos de renda fixa, cuja emissão é feita pelos bancos.

Antes de investir em uma delas,  verifique qual está oferecendo uma maior rentabilidade. Sem dúvida, é um detalhe que não pode ser ignorado na hora de optar pelo melhor investimento.

A LCI e a LCA se destacam por serem cobertas pelo Fundo Garantidor de Crédito. No entanto, vale lembrar que o FGC restitui em até R$ 250 mil o investidor, caso a instituição bancária vá à falência.  

Outro detalhe importante é que esses dois ativos são isentos de Imposto de Renda. As letras de crédito também se caracterizam por terem as modalidades pré-fixada e pós-fixada.

Vale a pena reforçar isso novamente para você não esquecer. A pré-fixada permite a você ter a dimensão exata de quanto vai ganhar quando assina o contrato.

A pós-fixada se destaca por ter um retorno variável e está ligada ao CDI. Portanto, à medida que são maiores o prazo e o valor investido, maior será o retorno do investidor nessa modalidade.

A LCI e a LCA têm como aspecto marcante o fato de não terem liquidez. Ou seja, você deve esperar até a data do vencimento do título para receber o valor (lucro) relacionado com o investimento.

Portanto, quanto mais tempo o dinheiro fica aplicado nas letras de crédito, maior será o seu retorno. Nunca se esqueça disso.

Fundos Multimercados

Consiste em um grupo específico de fundo de investimentos que envolve vários ativos, como ações, moedas estrangeiras e opções de renda fixa.

Um fundo multimercado tem renda variável e apresenta um gestor profissional, responsável por selecionar as melhores oportunidades para os integrantes do grupo. Portanto, pode ser uma alternativa para quem quer delegar as decisões para um profissional.

Primeiramente, se você ficou interessado nessa modalidade de aplicação, é bom analisar o histórico de rentabilidade de um período (mês, semestre e ano).

A rentabilidade desse fundo está ligada às decisões do gestor. Se houver uma busca por retornos muito expressivos, os riscos serão maiores. Logo, esse aspecto não pode ser ignorado na hora de escolher o melhor investimento.

Além disso, na avaliação de especialistas, o ideal é ter cuidado antes de optar pelo Fundo Multimercado. Um dos motivos é a necessidade de pagar uma taxa de administração, que pode alcançar até 3% do patrimônio líquido aplicado.

A segunda questão abrange a cobrança de taxas de performance quando a rentabilidade é maior do que os índices de referência do mercado financeiro, como a taxação do CDI.

Outra característica desse investimento é a liquidez. Contudo, é preciso, em alguns contratos, esperar 30 dias para fazer o resgate.

Portanto é importante e interessante você estudar bem as condições de contratação para atingir as suas metas com o Fundo Multimercado.

Fundos DI

É denominado como Fundo de Renda Fixa Referenciados em DI. Tem como característica marcante acompanhar a taxa DI (CDI – Certificado de Depósito Interbancário).

Além disso, tem um investimento mínimo de 95% do patrimônio em Títulos Públicos, vinculados à Selic (taxa básica de juros).

Os Fundos DI são pós-fixados e variam considerando o tempo da aplicação e a taxa da Selic em vigor no momento. Se você busca uma aplicação financeira que tem um equilíbrio entre risco e retorno, saiba que essa é uma boa alternativa na minha visão.

O motivo é que os Fundos DI investem nos títulos públicos federais, considerados um dos ativos mais seguros do mercado.

Com uma rentabilidade atraente, essa aplicação tem uma liquidez elevada. Isso porque o investidor pode retirar o dinheiro com um aviso prévio de 1 ou 2 dias, sem sofrer nenhuma penalidade.

 Além disso, também é válido destacar que as taxas de administração desse fundo variam, geralmente, de 0,5% a 3,5% do patrimônio líquido anual.  

Fundos de Ações

São fundos de investimentos que apresentam rendimentos, de acordo com os valores das ações. Eles são ativos de renda variável e que oferecem as mesmas vantagens proporcionadas aos que compram ações de empresas.

Ou seja, você ao investir nesses fundos terá direito a dividendos. Essa aplicação é uma forma simples de investir na Bolsa de Valores, porque a compra das ações será feita pelo gestor do fundo.

No caso dos que estão entrando o mercado financeiro, é uma opção que merece ser avaliada com atenção. Afinal, o gestor é, normalmente, uma pessoa qualificada e com bastante experiência no mercado de ações.

Outra característica marcante é que esses fundos têm, em muitos casos, excelentes rendimentos. Por outro lado, há cobranças para os investidores que abrangem a taxa de administração e a performance da aplicação.

No caso dos fundos de ações abertos, a liquidez é alta, ou seja, o resgate pode ser feito a qualquer momento. Com relação aos fundos fechados, é necessário um tempo mínimo para a retirada.

Procure ouvir especialistas

Em suma, para quem está iniciando a trajetória no mercado financeiro, escolher o melhor investimento não é uma tarefa tão simples quanto parece, principalmente, se a meta for acumular dinheiro em pouco tempo.

O mercado de ações se caracteriza pela possibilidade de obter rendimentos consideráveis no longo prazo, embora também seja possível obter bons retornos no curto prazo, principalmente com o uso de derivativos, o que não é possível em aplicações conservadoras, como a poupança.

Por outro lado, os riscos de haver perdas é bastante superior se compararmos com os investimentos em renda fixa. Por isso, é importante ter um bom gerenciamento de risco.

Plataformas como o OpLab são soluções que permitem que o investidor encontre estratégias para se expor de maneira convexa, minimizando perdas e maximizando lucros. Acesse já essa plataforma e veja como melhorar sua performance!

Uma outra maneira de maximizar os resultados é buscar o apoio de consultores com experiência no mercado financeiro. Afinal, trata-se de um setor que exige muito conhecimento e visão de negócio para optar pelas melhores aplicações.

Inegavelmente, apresentamos diversas opções para você escolher o melhor investimento. Agora é bom se planejar para optar pelo aplicação mais adequada ao seu perfil e aos seus objetivos.

Para acompanhar as nossas dicas, não deixe de nos seguir nas redes sociais (Facebook, Twitter e YouTube). O conhecimento será sempre a melhor ferramenta para atingir os seus objetivos!

Artigos relacionados

Acompanhe o blog do OpLab e confira tudo sobre mercado de opções, investimentos e finanças pessoais.